Ibovespa inicia o mês com queda de 4,5%.

02/12/2014

Veja Também

O mercado de ações brasileiro inaugurou dezembro com um pregão fortemente negativo. O Ibovespa fechou em queda de 4,47%, a 52.276 pontos. A baixa foi a mais forte desde 29 de setembro, quando houve queda de 4,52%. A pressão chegou de diversos lados: números globais fracos, saída de estrangeiros, recomendação de venda para Brasil pelo Credit Suisse e temores do mercado de que pode ser aprovado um projeto de lei que propõe tributação de dividendos.

Commodities com preços baixos seguiu no radar do mercado, que também operou ontem sob a influência de expectativa de aumento de tributos em várias áreas da economia brasileira. O volume financeiro somou R$ 6,3 bilhões.

A discussão sobre o projeto de lei dos dividendos já ronda as mesas de operações há algumas semanas, mas ontem foi citada como mais um dos motivos que pressionaram o índice. O Projeto de Lei 7274/14 é de autoria do deputado Renato Simões e do ex-deputado Ricardo Berzoini, ambos do PT. A proposta é que dividendos distribuídos pelas companhias passem a pagar imposto de renda na declaração das pessoas físicas. Atualmente, os dividendos recebidos pelas pessoas físicas são isentos.

Segundo um operador, Morgan Stanley e Merrill Lynch venderam bastante ações brasileiras ontem. "A impressão foi de uma venda de 'basket' [cesta de ações] Brasil", disse um gestor.

O estrangeiro começa a entrar na ponta vendedora do Ibovespa neste início de mês. No ano, o saldo de capital externo é positivo em R$ 22,547 bilhões. Em novembro, até o dia 27, o saldo é positivo em R$ 1,660 bilhão. Mas a posição comprada em índice futuro vem caindo há um mês, afirma o chefe de análise da Alpes/Win, Bruno Gonçalves. O saldo ainda é positivo em 96.204 contratos, mas com queda de 3,9 mil contratos no último pregão.

Analistas comentam ainda que pesou um relatório do Credit Suisse recomendando venda de ações do Brasil. Entre os motivos citados pelo banco, está a exposição maior de ações brasileiras a um crescimento menor da China.

No exterior, números abaixo do esperado na China, na Europa e nos Estados Unidos também pesaram. As principais blue chips caíram com força. Papéis ligados a commodities recuam com o cenário externo e os bancos aproveitam para devolver lucros. Vale PNA caiu 4%, Petrobras PN recuou 3,75%, Itaú PN perdeu 4,14% e Bradesco PN caiu 5,23%.

O operador sênior da Guide Investimentos Fabio Galdino de Carvalho lembra que os preços das commodities estão pressionados no mundo, o que afeta muitas ações de peso no Ibovespa. O minério de ferro e o petróleo tentaram se recuperar ontem, mas permanecem em níveis muito baixos.

O economista-chefe da Órama Investimentos, Álvaro Bandeira, diz que a perda de espaço da Petrobras na primeira prévia do Ibovespa válida para a carteira de janeiro a abril pressionou as ações. Petrobras saiu de uma fatia de 8,7% na carteira de setembro a dezembro para 5,42% na nova prévia. Conforme esperado por analistas, a nova carteira do Ibovespa terá 69 ações, ante 70 da lista atual. Pela prévia, entra Multiplan ON, com peso de 0,418%, e saem Eletropaulo PN e Cosan Logística ON.

Fonte: Valor Econômico