USDA reduz estimativa de estoques de soja nos EUA e aumenta os de milho

10/04/2019
Número veio ligeiramente abaixo do que os analistas esperavam (Foto: Jonathan Campos/Ag. Gazeta do Povo)

Veja Também

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) reduziu nesta terça-feira (09/4) sua projeção para estoques domésticos de soja ao fim da temporada 2018/19. Em seu relatório mensal de oferta e demanda, o USDA disse que as reservas da oleaginosa ao fim da temporada 2018/19 devem somar 24,36 milhões de toneladas, de 24,5 milhões de toneladas previstos no relatório de março. Analistas consultados pelo Wall Street Journal esperavam um aumento: 24,85 milhões de toneladas.

A previsão para estoques de milho nos EUA foi elevada de 46,61 milhões para 51,69 milhões de toneladas, enquanto os analistas previam um aumento menor, para 51,13 milhões de toneladas.O governo dos EUA também aumentou sua estimativa para estoques domésticos de trigo, de 28,7 milhões para 29,59 milhões de toneladas.

EUA mantém previsão de estoque de farelo de soja e reduz produção

Os analistas esperavam um número menor, de 29,3 milhões de toneladas.Além disso, o USDA elevou suas projeções de estoques mundiais para os três grãos. As reservas globais de soja ao fim de 2018/19 passaram de 107,2 milhões para 107,4 milhões de toneladas, enquanto o mercado esperava 108,4 milhões. A previsão para estoques globais de milho foi elevada de 308,5 milhões para 314 milhões de toneladas, acima da previsão de analistas, de 312,4 milhões. As reservas de trigo foram estimadas em 275,6 milhões de toneladas, de 270,5 milhões no relatório de março. Analistas esperavam 271,1 milhões de toneladas.

Brasil e Argentina

O USDA elevou em 500 mil toneladas sua estimativa para a produção de soja no Brasil, para 117 milhões de toneladas. O mercado projetava uma redução para 116,1 milhões de toneladas. A previsão para a colheita argentina foi mantida em 55 milhões de toneladas, enquanto os analistas previam um aumento para 55,5 milhões de toneladas.Já a colheita de milho do Brasil foi projetada em 96 milhões de toneladas, de 94,5 milhões em março. Os analistas esperavam um aumento menor, para 94,7 milhões de toneladas. O USDA elevou sua projeção para a safra de milho na Argentina, de 46 para 47 milhões de toneladas, enquanto o mercado previa 46,8 milhões de toneladas. 

Fonte: GLOBO RURAL.